MUTIRÃO DA SAÚDE INDÍGENA PATAXÓ, ALDEIA PARÁ, CARAÍVA, SUL DA BAHIA!! 19 a 24 de MAIO DE 2020

(Portuguese) (English) (French)





O Povo Pataxó vai fazer um MUTIRÃO para a construção de dois postos de saúde na Aldeia Pará: uma Casa de Saúde Tradicional Indígena e um Posto de Serviço de Saúde Médico. Participe!!! https://forms.gle/ZadTHhsF9U9Va9h96

Durante o MUTIRÃO a Aldeia Pará se abre para receber pessoas do Brasil e de outros países que estejam interessadas em aprender a fazer MUTIRÃO INDÍGENA, colaborar com a Saúde INDÍGENA, participar dos RITUAIS PATAXÓS, experimentar a CULINÁRIA PATAXÓ e ter uma experiência imersiva nos seus MODOS DE VIDA. Para isso é preciso fazer inscrição e pagamento de uma taxa de R$ 500 reais. Esse dinheiro será utilizado para gastos com alimentação (café da manhã + almoço) + hospedagem no camping Pataxó (barraca, banhos, água) + pagamento das cozinheiras e + transporte de produtos entre as aldeias, durante todos os dias do mutirão. INSCRIÇÃO AQUI: https://forms.gle/ZadTHhsF9U9Va9h96   





Para conseguir os recursos materiais para a construção dos POSTOS DE SAÚDE foi feito um crowdfunding no Catarse e alguns encontros da rede de tecnoxamanismo em São Paulo, Berlim, Paris, Toulouse e Londres, que através das doações de colaboradores atingiu seu objetivo. Para a implementação do projeto, teve um edital aprovado pela região Occitanie em parceria com a associação França-América Latina (FAL) e o comitê Marielle Franco de Toulouse, localizado no sul da França, com duração de três anos. O projeto conta também com a manutenção das iniciativas agroflorestais e de recuperação de nascente de rios, o que servirá como um apoio à autonomia alimentar e o funcionamento dos POSTOS DE SAÚDE.

MUTIRÃO é uma das formas mais potentes de colaboração porque cria mobilização coletiva, produz ajuda mútua, promove independência e emancipação dos povos. Participar de um MUTIRÃO é uma oportunidade única de transformação da realidade que traz muitos benefícios para aprendizagem e desenvolvimento humano. Em momentos de catástrofes climáticas e humanas como as que estamos vivendo hoje em dia, é fundamental apoiar projetos autônomos, de empoderamento de minorias, de justiça social.

São muitos fatores que se somam quando se fala em SAÚDE INDÍGENA. Vai desde o cuidado com a água, com o solo, com o saneamento básico, com reciclagem, com alimentação, com assistência preventiva, assistência social, até fatores relacionados à mortalidade infantil, epidemias, doenças respiratórias, diarréicas, doenças imunopreveníveis, malária e tuberculose, cardiopatia, doenças hemofílicas, doenças renais, câncer entre  outros. 

A criação de dois postos de saúde, um tradicional indígena e outro ambulatorial traz como desafio a intersecção de campos de conhecimentos, de forma a criar interdependência e complementaridade entre os saberes tecnológicos e xamânicos, entre a cultura do médico e a cultura das curandeiras, das mães, das parteiras. Isso é um desafio e uma necessidade em todo o continente sul americano, assim como em todo o mundo. Operar com conhecimentos atuais e ancestrais é um grande desafio mas também um grande sonho. 





O desmonte das políticas da saúde indígena manifesto na perda de autonomia de programas como a SESAI (Secretaria Especial de Saúde Indígena), DSEI (Distrito Sanitário Especial Indígena), o fim do Programa Mais Médicos, o esvaziamento de unidades gestoras de saúde, o descaso com as Casas de Saúde Indígena (local onde os doentes ficam em tratamento ou aguardam para serem atendidos nos hospitais para questões de saúde mais complexas), as mudanças estruturais que o SUS vem passando ou a reestruturação da FUNAI (Fundação Nacional do Índio) e a precariedade de infraestrutura e de recursos logísticos para atendimento aos indígenas têm preocupado os povos indígenas, que desde o início de 2019 tem feito várias manifestações políticas, se opondo a  decretos como o da municipalização da Saúde Indígena ou da recente Portaria 13.623 feita pelo governo federal que ordena a centralização dos processos e contratações públicas pelos órgãos federais.

Um dos princípios da Saúde Indígena declarada na III Conferência Nacional de Saúde Indígena, realizada em 2001 diz que: “ (…) cada povo indígena tem suas próprias concepções, valores e formas próprias de vivenciar a saúde e a doença. As ações de prevenções, promoções, proteção e recuperação da saúde devem considerar esses aspectos, ressaltando os contextos e o impacto da relação de contato interétnico vivida por cada povo…”. É nesse sentido que os povos indígenas reivindicam atenção especial à saúde, dado as singularidades e especificidades de cada um deles. 

A VI Conferência Nacional de Saúde indígena está marcada para 1º a 4º de Julho de 2020, logo depois do MUTIRÃO na Aldeia Pará Pataxó. Nela se pretende atualizar o modelo de atenção à Saúde dos Povos Indígenas. Espera-se reunir mais de 2000 pessoas entre indígenas e trabalhadores da Saúde Indígena. Essa Conferência será importantíssima na definição das diretrizes futuras para os povos indígenas do Brasil, na tentativa de preservar as conquistas feitas nos últimos 20 anos por esses povos. Sua ideia é não declinar e não perder direitos, mas exigir e determinar o melhoramento das suas condições de saúde. Mediante as atuais perseguições às lideranças indígenas e as perdas constantes de direitos, essa Conferência Nacional apresenta-se como uma grande manifestação política.

Em meio a todas essas complexidades é que convidamos você para esse MUTIRÃO DA SAÚDE INDÍGENA PATAXÓ, como uma forma de se envolver em todas essas discussões e ao mesmo tempo colaborar concretamente para o benefício da SAÚDE INDÍGENA. 

Marcha das Margaridas - Agosto de 2019 - Foto extraída do site: http://matilda.my/editoria/marcha-das-mulheres-indigenas-e-marcha-das-margaridas-o-encontro-de-forcas-exponenciais/

PARA SABER MAIS – LINKANIA: 

Povo Pataxó – https://pt.wikiversity.org/wiki/Wikinativa/Patax%C3%B3  

Conferência Nacional de Saúde Indígena – http://www.susconecta.org.br/6a-conferencia-nacional-de-saude-indigena-sera-realizada-de-1o-a-4-de-julho-de-2020/ 

CIMI (Conselho Indigenista Missionário) sobre a atual situação da Saúde Indígena no Brasil-https://jornalggn.com.br/noticia/saude-indigena-descontinuidade-da-politica-de-atencao-coloca-os-povos-indigenas-em-mobilizacao/ 

Campanha do Catarse para o mutirão da saúde Pataxó https://www.catarse.me/mutirao_da_saude_pataxo_2019  

II Festival Internacional de Tecnoxamanismo na Aldeia Pará Pataxó – https://tecnoxamanismo.wordpress.com/2016/05/20/convocatoria-para-o-ii-festival-de-tecnoxamanismo/ 

ORGANIZAÇÃO – ALDEIA PARÁ PATAXÓ

E REDE DE TECNOXAMANISMO

APOIO