Xamamento ///// performance 10/04/2019, Paris

 

Performance @ Gaite Lyrique, Paris, 10/04/2019

 

Em novembro de 2018 fomos convidados paraa realizar uma performance na Gaite Lyrique, estabelecimento de arte em Paris, no ciclo de conferências + performances “Ce qui dépend de Nous”, “O que depende de nós” em francês. Clemence Seurat, programadora do centro de arte e organinzadora do ciclo de conferencias, nos deu carta branca para fazer uma performance no capítulo “Descolonização do Pensamento e dos saberes”.

 

Estivemos Acompanhadas de intervenções de Jens Hauser, pesquisador e comissário, conduz o projeto (OU)VERT na Universidade de Copenhague que cartografa e examina o “verde” como a cor mais antropocêntrica que há; E  Nataša Petrešin-Bachelez, crítica de arte e curadora, comissária da Bienal Contour 9 “Coltane as Cotton”, em Malines na Bélgica.

 

Esta performance vem sendo desenvolvida desde novembro/2018, quando nós três, integrantes da rede Isabella, Raisa e Alice, começamos a discutir idéias e vontades em comum, muito tocadas pelo crime ambiental de Brumadinho ocorrido no mesmo mês. A partir deste encontro no tempo e a convergências entre nossas pesquisas, escrevemos o Manifesto Espectral, forma poética de unir as formas-palavras do Tecnoxamanismo com uma ação temporal, a performance em abril 2019. Através de diálogos remotos e encontros presenciais, fomos construindo a ação com idéias e símbolos que  nos atravessam.

 

xamamento

 

A performance derivou das ferramentas do-it-yourself que criamos; através de um objeto; A máscara espelho-de-rosto, três vídeos-totens, sendo um eles uma transformação de uma imagem de Rafael Frazão do II Festival Internacional de tecnoxamanismo, um ambiente sonoro realizado em parceria com Bertrand Blanco e Daniel Muller e geometrias coletivas corporais.

O ato performágico ocorreu às 19 horas do dia 10 de abril, na mesma noite que o consórcio EHT fez o anúncio histórico da obtenção da primeira imagem de um buraco negro. Durante 20 minutos, utilizamos nossos corpos e ferramentas DIY para fazer emergir brumadinho e a busca da cura. No final, fizemos a leitura do manifesto espectral.

// A noite teve aproximadamente 40-50 espectadores, e prosseguiu para a keynote de Jans Hauser e Natasa Petresin-Bachelez. Ao final, houve um debate no qual discutimos, mediados por Clemence Seurat, métodos de fazer rede e compreender a cultura de produção artística como um meio de transformar a cultura de produção em si. Compartilhamos nossas impressões do que significa pensar sobre memória e fazer arte vindo do contexto do brasil contemporâneo,  e os arquétipos temporais e ações pontuais que a rede do tecnoxamanismo figura como ferramentas-chave para promover mudança e descolonização do teritório sensivel e da matéria densa.

 

Momento de conversa entre os participantes

 

 

A rede do Tecnoxamanismo está organizando um Mutirão na Aldeia Pataxó Pará em outubro de 2018 no qual serão construídos coletivamente uma casa de cura tradicional Pataxó para medicina tradicional, rezas, cantos e catalogação de conhecimentos e um posto ambulatorial de saúde com duas salas de atendimento para consultas com o médico da família e dentista.

Para mais informações, contacte-nos através do: xamanismotecnologico@gmail.com

 

Chamada para a sessão “ Decoloniser le pensée et les savoirs”, no site da Gaite (em francês) https://gaite-lyrique.net/evenement/decoloniser-la-pensee-et-les-savoirs

 

Manifesto Espectral  https://tecnoxamanismo.wordpress.com/2019/02/18/manifesto-spectral/

 

A Gaite Lyrique

Aberta em 2011, a Gaîté Lyrique é um estabelecimento de arte da Cidade de Paris dedicado ao encontro entre as artes, as tecnologias e a sociedade. Pensada como uma plataforma multidisciplinar, a Gaîté Lyrique tem um olhar crítico sobre as culturas populares, práticas digitais e formas artísticas emergentes. Lugar de encontro e trabalho para artistas, está aberta a todos  que desejam tanto visitar uma exposição quanto ver um concerto, assistir a uma conferência, beber um copo ou participar de um atelier. è através desses que a gaite interpreta, não pelas tecnologias digitais por elas mesmas, mas através de seu impacto na sociedade.

/// O Capítulo “Decoloniser la pensée et les savoirs”, no ciclo de conferências “Ce Qui depend de nous”.

Acompanhada de seus convida.d.e.s esta terceira sessão se interessa no desaceleramento do mundo, a hibridização dos saberes e a descolonização das práticas, nas artes e além.

As crises contemporâneas são tão múltiplas quanto intrincadas, do clima à injustiça, da economia à migração. Todxs se rejubilam em apontar ao dedo ao modo de deenvolvimento capitalista que assitiu a predação como lógica última da nossa relação com o Outro – seja ele animal, humano, vegetal, mineral… Essas práticas se apoiam sobre uma visão binária do mundo, incapaz de desbloquear as catástrofes ambientais que ocorrem e se anunciam.

Para elaborar respostas, não repetir mesmas histórias de apropriação e dominação, faz-se necessário operar uma mudança radical, uma transformação pela raiz de nossa lógica de pensamento: a descolonização para ser capaz de tornar-se o outro, para nos descentralizar e fazer terra comum com os demais seres vivos. ///

(traduzido livremente da chamada do website, escrito por Clemence Séurat)

Artigo publicado pela Gaite Lyrique sobre o Capítulo “Decoloniser la pensée et les savoirs” (FR) https://gaite-lyrique.net/article/pour-aller-plus-loin-decoloniser-la-pensee-et-les-savoirs

 

///

Isabella Aurora, Raisa Inocencio e Alice Turnbull

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s